Violência no mundo dos games gera pessoas violentas? Pois o assunto voltou a ser pauta essa semana. Na última quinta-feira, dia 21 de novembro, o Senado realizou a segunda audiência pública do projeto de lei 383/2017 que visa regulamentar os jogos eletrônicos do Brasil, contando com diversos nomes importantes do cenário e-Sports, psiquiatras e pessoas relacionadas ao mundo dos esportes.

Um dos pontos que gerou polêmica na internet foi relacionado ao Artigo 2, que proíbe jogos violentos, e o Artigo 4, que dá a confederações o poder de regular as regras do campeonato.

“O que eu queria trazer para a gente discutir é que existe, sim, uma razoabilidade muito grande em afirmar que os jogos eletrônicos nos videogames estão associados com a agressão e que precisamos decidir se isso é um risco que vale a pena correr ou não. A ciência aponta claramente a conclusão”, disse Fábio Gomes de Matos, psiquiatra.

A fala de Gomes gerou revolta na web, com comentários extremamente críticos.

Estudos que comprovam que videogames NÃO CAUSAM violência

Ciência já comprovou em diversas pesquisas que games não estimulam a violência
Ciência já comprovou em diversas pesquisas que games não estimulam a violência

Pauta de debate desde os anos noventa, a ciência já comprovou em diversos estudos que os games violentos não estimulam a violência.

Uma das pesquisas mais recentes foi realizada pela Universidade de York, na Inglaterra, envolvendo 3.000 participantes e oferecendo diversos tipos de jogos violentos, monitorando reações fisiológicas, associações e diversos possíveis efeitos do estímulo violento.

A conclusão dos pesquisa foi de que não há ligação comprovada entre a violência e o realismo nesse tipo de jogo e os efeitos que supostamente poderiam ter seus jogadores”.

Um outro estudo, liderado por Chritopher Feguson, da Universidade de Stetson, avaliou 377 crianças, chegando a seguinte conclusão:

Não encontramos evidência de que jogos violentos aumentam o bullying ou comportamento deliquente entre jovens vulneráveis clinicamente diagnosticados com elevados sintomas de saúde mental (…)”

Um outro estudo da Universidade de Oxford chegou a mesma conclusão de que não há nenhuma conexão direta entre videogames e o comportamento agressivo dos jovens. Estudiosos alemães do Instituto Max Planck também.

Fonte: The Enemy

Jornalista, ganhou popularidade na internet por ser o dono do Planeta Sonic, um dos maiores canais do YouTube no Brasil sobre o mascote da SEGA. Trabalha há mais de dez anos escrevendo sobre games para diversos canais importantes do país.
Comentários